Home / Notícias / Conheça a nova vice-presidente do COFFITO e seus principais objetivos para a Gestão 2016-2020

Conheça a nova vice-presidente do COFFITO e seus principais objetivos para a Gestão 2016-2020

A partir de junho de 2016 um novo colegiado tornou-se responsável pelo COFFITO e pelas profissões de Fisioterapia e de Terapia Ocupacional. Nos próximos quatro anos, os representantes têm a missão de defender, lutar, e assegurar os direitos das profissões e da sociedade. À frente da Terapia Ocupacional está, agora, a recém-eleita vice-presidente do COFFITO, Dra. Patrícia Luciane Santos de Lima, formada há 22 anos e a primeira terapeuta ocupacional do Brasil a ser reconhecida como perita judicial!

Ser Terapeuta Ocupacional

Nas últimas décadas, a terapeuta ocupacional explorou a diversidade da profissão e dividiu-se entre a área hospitalar, quando chefiou o Serviço de Terapia Ocupacional do Hospital de Clínicas da Universidade Federal do Paraná (UFPR), nos períodos de 2000 a 2004, e de 2008 a 2012; e a área de Saúde do Trabalhador, sendo, inclusive, a primeira profissional da área reconhecida como perita judicial, abrindo precedente e criando um marco à Terapia Ocupacional.

O laudo pericial fornecido pela terapeuta ocupacional foi elogiado e teve sua veracidade reafirmada pelo médico e perito-chefe do Instituto Médico Legal de Curitiba, Dr. Miguel Zacharias Sobrinho: “Tendo examinado o contido nos autos, acompanhou a perícia e após conhecer o teor do laudo da perita judicial, apresenta a sua correspondente manifestação […]. Após atenta leitura do laudo elaborado pela perita judicial, contendo as respostas aos quesitos formulados pelas partes, cumprimos, preliminarmente, o grato dever de exaltar relevantes méritos profissionais e culturais desta conceituada terapeuta ocupacional e destacar o seu comportamento ético e cordial durante os trabalhos periciais, tendo preservado, contudo, a indispensável imparcialidade exigida dos peritos judiciais. Em seguida, manifestamos a nossa concordância com as suas conclusões”. Trecho extraído do processo nº 74/2002, da 20ª Vara Cível da Comarca de Curitiba/PR.

Veja a decisão do juiz que respaldou o exercício da Perícia por terapeuta ocupacional no Paraná, em 2003:

“INDENIZAÇÃO POR DOENÇA PROFISSIONAL. L.E.R. NOMEAÇÃO DE TERAPEUTA OCUPACIONAL PARA A REALIZAÇÃO DE PERÍCIA. POSSIBILIDADE. HABILITAÇÃO PROFISSIONAL DEVIDAMENTE COMPROVADA. DECISÃO MANTIDA. AGRAVO NÃO PROVIDO. O inconformismo do agravante, como se viu, cinge-se a nomeação, pela MM.ª Juíza de Direito, de terapeuta ocupacional para a realização de perícia. Ocorre que, a meu ver, e diante da documentação acostada aos autos, a terapeuta ocupacional, apesar de não ser médica inscrita no CRM, possui habilitação profissional para realizar a perícia deferida nos autos. Com efeito, o terapeuta ocupacional é profissional de nível superior, reconhecido pelo Decreto-Lei nº 938, de 13/10/1969. É indubitável que ninguém melhor que uma profissional do ramo da Terapia Ocupacional, em cujo campo se inserem o tratamento e prevenção das doenças ocupacionais (LER e DORT) para aferir, através de perícia, se a autora é ou não portadora da doença indicada na inicial. É de se ver que ‘na exegese do parágrafo 145 do CPC deve o juiz atentar para a natureza dos fatos a provar e agir cum grano salis, aferindo se a perícia reclama conhecimentos específicos de profissionais qualificados e habilitados em lei, dando à norma interpretação teleológica e valorativa’ (RSTJ 31/363, RT 685/185, Just. 168/160 e Bol. AASP 1.758/319; no mesmo sentido: RSTJ 147/174) […]. Nego provimento ao recurso para manter a decisão agravada.” Trecho extraído do processo 0235039-4.

Mas ela ainda foi além. Entre 1998 e 2000, participou da Comissão de Implantação do curso de Terapia Ocupacional da Universidade Federal do Paraná e da Comissão de Estudos e Acompanhamento do Projeto Pedagógico da graduação, até 2003. Atualmente, é terapeuta ocupacional da UFPR, trabalhando no Hospital de Clínicas e na Supervisão Técnica do Serviço de Terapia Ocupacional, desde 2012.

Terapeuta Ocupacional no Sistema COFFITO/CREFITOs

Ingressar em um conselho, uma associação, ou um grupo de discussão para elevar a categoria pode ser visto como uma forma de ampliar a jornada e, ao mesmo tempo, abdicar do tempo com a família.

Para a Dra. Patrícia, casada e mãe de quatro filhos, a rotina longa e atribulada é uma constante, e sempre foi encarada com muita alegria e energia. A multiplicação do tempo é a sua melhor habilidade. Como tantas outras mulheres que estão, ou estiveram no Sistema, ou em demais atividades extraprofissionais e familiares, a Dra. Patrícia também emerge entre essas guerreiras que, dia a dia, constroem carreiras profissionais, criam filhos e ainda lutam por seus ideais e contribuem para a construção de uma sociedade mais justa e igualitária.

O engajamento político começou durante a graduação, quando, entre os anos de 1991 e 1993, ocupou a presidência do Diretório Estudantil Sydnei Lima Santos. Uma década depois, em 2002, ingressou no CREFITO-8, à época, como colaboradora da Comissão de Educação. Na gestão seguinte, já integrava a Comissão de Ética e Deontologia do Regional e, logo a seguir, em 2012, alçou um voo mais alto: foi empossada conselheira federal do COFFITO, onde segue até hoje, porém, agora, com uma missão ainda mais desafiadora – representar nacionalmente a profissão dentro do Sistema COFFITO/CREFITOs.

“Desejei entrar no Sistema porque sempre quis contribuir na decisão e elaboração das questões pertinentes a ambas as profissões”.

O reconhecimento profissional carrega junto uma nobre e difícil missão, que, segundo a Dra. Patrícia, está em definir, nos termos legais e éticos, o limite de competência do exercício profissional e alavancar minutas que regulem a atuação profissional existente, visando, assim, propagar a profissão e assegurar à população um atendimento de qualidade.

Projetos e Futuro

Dar continuidade à pauta que está sendo trabalhada no COFFITO será prioridade, em especial, no que se refere à ampliação dos cursos de Terapia Ocupacional no País, fortalecendo os já existentes, tanto por meio de uma política de divulgação de sua importância e relevância social, quanto por meio de discussões, parcerias e compartilhamento de dificuldades e soluções junto aos conselhos regionais.

A Dra. Patrícia, destaca, ainda, que o seu trabalho não será restrito à sua profissão, afinal o papel de um conselheiro federal inclui servir de mola propulsora, tanto para a Terapia Ocupacional quanto para a Fisioterapia, principalmente com o objetivo de assegurar, com base na regulamentação de cada profissão, a atuação e inserção nas diversas áreas e políticas públicas, garantindo à população o acesso a uma assistência plural e de qualidade nos diversos segmentos.

Formação

Graduada pela Faculdade de Reabilitação Tuiuti (1994), Pós-Graduada Lato Sensu em Deficiência Visual (1998), Pós-Graduada Lato Sensu em Deficiência Física (1998), Mestre em Psicologia da Infância e da Adolescência pela Universidade Federal do Paraná (2004).

COFFITO

Leia Também

Escola de Osteopatia de Madrid promove evento beneficente online em prol da revista científica Brazilian Journal of Physical Therapy.

Um evento inédito e inovador que trará conhecimentos da Osteopatia e da Fisioterapia com muita …

.

PARCEIROS CREFITO

 
 
X