Home / Geral / Terapia Ocupacional desempenha papel importante no tratamento da Síndrome de Down

Terapia Ocupacional desempenha papel importante no tratamento da Síndrome de Down

Dia 21 de março é comemorado do Dia Internacional da Síndrome de Down e a Terapia Ocupacional exerce papel fundamental no tratamento de pessoas com essa síndrome. Para falar um pouco sobre o tema, entrevistamos a terapeuta ocupacional Viviane Biriba, que trabalha na APAE há 9 anos e presta atendimento em consultório de Integração Sensorial.Dra. Viviane se graduou em Terapia Ocupacional em 2004, tem formação em Terapia da Mão – Reabilitação do Membro Superior pela Faculdades Integradas São Pedro (2006). Tem ainda experiência em Integração Sensorial, atendimento clínico em Saúde Funcional com ênfase em Reabilitação Neurológica Adulto, Geriátrica e Pediátrica, Programas de Triagens e de Atenção ao Desenvolvimento Infantil.

1) De que forma a Terapia Ocupacional atua junto às pessoas que têm Síndrome de Down?

O terapeuta ocupacional pode ajudar as pessoas com Síndrome de Down a desenvolver, recuperar ou manter habilidades que elas precisam para desempenhar suas atividades da vida diária, na estimulação e aquisição de habilidades motoras globais e finas, intelectuais e afetivas, desenvolvimento neuropsicomotor, habilidades funcionais e estímulo aos aspectos percepto cognitivos, buscando sempre maior autonomia e independência em seu cotidiano.

2) É possível ver diferença entre quem passa pela Terapia Ocupacional e quem não tem acesso a esse tratamento?

É possível sim ver a diferença e a intervenção precoce junto a Terapia Ocupacional é de extrema importância na aquisição das habilidades.

3) Como é o trabalho desenvolvido na APAE?

O trabalho é direcionado de acordo com o plano terapêutico singular de cada criança, estando essa em constante reavaliação. O atendimento pode ser realizado individual ou em dupla dependendo dos objetivos terapêuticos propostos a cada criança. Trabalhamos visando a aquisição de habilidades funcionais, estímulo aos aspectos sensoriais, percepto cognitivos e motores e promovendo maior independência nas AVDs.

4) Há muitos textos que destacam que a Síndrome de Down não é uma doença, mas sim uma condição da pessoa, associada a algumas questões. Acha que ainda há muita falta de esclarecimento sobre isso, já que muita gente vê como doença?

Sim, é importante levantar o tema, realizar palestras e capacitações para esclarecer melhor a população. Muitos falam por falta de conhecimento, por isso, faz-se importante abordar o assunto com frequência!

5) Como é possível perceber que o bebê tem Síndrome de Down?

Algumas características podem ser conservadas como:

  • prega palmar única;

  • olhos oblíquos;

  • mais uma dobra nas pálpebras que pode deixar o olhar mais expressivo;

  • implantação das orelhas mais abaixo que o habitual;

  • cabeça mais achatada;

  • são geralmente menores e mais leves e podem ter o pescoço ainda mais mole que o dos outros bebês com a mesma idade;

  • língua grande;

  • mãos pequenas com dedos curtos;

  • hipotonia.

6) O que os pais devem fazer ao descobrir a Síndrome de Down?

Buscar atendimento junto a equipe multidisciplinar, pois a intervenção precoce é de suma importância no desenvolvimento neuropsicomotor e social da criança.

7) O que é mais gratificante no seu trabalho?

Gratificante é perceber que nosso trabalho faz diferença na vida da criança e da família, que podemos com ele, proporcionar melhor qualidade de vida! Cada evolução é uma alegria, que vibramos junto com a família e nos motiva a continuar nesse caminho!

8) E o que é mais difícil de lidar com quem tem Síndrome de Down?

Não trabalho com as dificuldades e sim com as potencialidades da criança, portanto, não vejo como o que tem de mais difícil… identificamos o potencial da criança e a partir disso, trabalhamos as aquisições necessárias para ampliar suas capacidades!

9) Como surgiu seu interesse por esta área?

Ao perceber que eu poderia ser útil a muitas famílias e levar a esses lares um pouco de alegria!

10) Acha que ainda existe muito preconceito ou a sociedade está mudando e passando a aceitar melhor as diferenças?

Observo uma melhora, mas infelizmente, o preconceito ainda existe e é muito frequente. Por isso a importância de trazer sempre o assunto e esclarecer melhor a sociedade.

11) E pra terminar, somos todos iguais ou todos diferentes?

Apesar de alguns aspectos em comum, cada indivíduo é diferente e vai apresentar um padrão distinto de desenvolvimento, mas ninguém é melhor que o outro! Por isso, independente de patologias ou condições, o respeito deve estar sempre presente! Cada indivíduo é único e todos  dignos e merecedores do mesmo Amor!

 

Leia Também

COFFITO mantém consultoria online para os profissionais que estão na linha de frente do enfrentamento à COVID-19

O COFFITO segue disponibilizando ferramenta de teleconsultoria, realizada por meio de um chat no WhatsApp, …

.

PARCEIROS CREFITO

 
 
X