Home / Geral / Profissões da área da Saúde expõem, em audiência pública na Câmara dos Deputados, incompatibilidade da graduação no formato EaD

Profissões da área da Saúde expõem, em audiência pública na Câmara dos Deputados, incompatibilidade da graduação no formato EaD

No dia 8 de agosto, em Brasília, a Câmara dos Deputados promoveu audiência pública para debater a expansão de cursos superiores a distância na área da Saúde. Estiveram presentes representantes das profissões, entre eles o Diretor-Secretário do COFFITO e coordenador do Fórum dos Conselhos Federais da Área da Saúde (FCFAS), Dr. Cássio Fernando Oliveira da Silva, e órgãos reguladores da educação. “A formação em Saúde se inicia no primeiro dia de aula, seja no laboratório, ou acompanhando um professor, ou visitando a comunidade. Ela precisa de prática, de vivência nos vários cenários, de experiência das realidades multiprofissionais. Não podemos brincar com a saúde da população brasileira. Não podemos precificar uma vida”, enfatizou o Dr. Cássio Silva.

A representante do Conselho Federal de Enfermagem (COFEN), Dra. Dorisdaia Humerez, argumentou da mesma forma, pontuando, ainda, as divergências entre o que preconiza as regras e o que é posto em prática pelas instituições que oferecem a formação em EaD. Segundo ela, os enfermeiros representam, hoje, aproximadamente 65% da força de trabalho no SUS, sendo, portanto, de responsabilidade da instituição zelar pela saúde da população e lutar pela redução de erros por imperícia.

A Dra. Zilamar Fernandes, representante do Conselho Federal de Farmácia (CFF) e integrante do FCFAS, em sua fala, também relatou o descumprimento das normas estabelecidas para a EaD, alegando que muitas instituições sequer cumpriam o período mínimo exigido. Outro ponto levantado por ela foi a terceirização dos polos de ensino, onde, através da fiscalização, foram encontrados “açougues”. Por fim, alertou, ainda, para a desobediência de portarias que determinam um número máximo de polos.

As categorias encontraram apoio na Deputada Alice Portugal, que, além de narrar o seu envolvimento com a pauta, declarou esperar que a Câmara possa socorrer a população e os profissionais de Saúde, permitindo que o projeto de lei, que visa coibir a oferta de graduações da área da Saúde no formato EaD, seja aprovado sem alterações. “Não nos serve, sequer, um ensino semipresencial”, finalizou.

Contraponto

Coube ao Conselho Nacional de Educação (CNE) e à Secretaria de Regulação e Supervisão da Educação Superior do Ministério da Educação – SERES/MEC a réplica, fazendo referências às leis que regulamentam os serviços de fiscalização e à quantidade de cursos existentes.

Conclusão

A mesa foi encerrada evidenciando a necessidade de ampliar a discussão sobre o tema. Finalizada a primeira mesa, a Câmara realizou uma segunda rodada com outros atores envolvidos na formação em EaD na área da Saúde.

COFFITO

Leia Também

PL prevê cobertura, por plano de saúde, de exames solicitados por fisioterapeutas

Acesse aqui e concorde totalmente com este PL. Sobre  PL 4571/2020 O Projeto de Lei 4571/20 …

.

PARCEIROS CREFITO

 
 
X