A Terapia Manual dentro da Fisioterapia

De passagem por Vitória, a fisioterapeuta que é mestre em Biologia Humana e Experimental, Dra. Mariane Altomare, concedeu uma entrevista exclusiva ao CREFITO 15 para falar sobre Terapia Manual em Fibroses e Aderências. A profissional é considerada uma referência nessa área e é idealizadora da Liberação Tecidual Funcional (LTF). No bate-papo, ela fala sobre a Terapia Manual dentro da Fisioterapia e também sobre o mercado, que é considerado promissor para quem se especializa nessa área. Confira!

 

O que é Terapia Manual?

É uma área da Fisioterapia voltada para o tratamento de condições neuro-musculoesqueléticas. É baseada em raciocínio clínico e utiliza abordagens de tratamento específicas, incluindo técnicas manuais e exercícios terapêuticos. Também abrange áreas guiadas pela evidencia científica e aspectos biopsicossociais de cada paciente.

 

Quais são os benefícios para o paciente?

Como ela consegue analisar todos esses aspectos, a Terapia Manual é normalmente mais efetiva que outras abordagens. Antes de qualquer tipo de tratamento é feita uma avaliação muito criteriosa e, dentro dessa avaliação, quando ela é bem feita por profissional bem capacitado, você consegue atingir o ponto específico de disfunção do paciente. Então, a Terapia Manual consegue ser muito efetiva e muito rápida.

 

Qual é a área de atuação desse profissional?

A Terapia Manual é uma abordagem que se encaixa em várias áreas da Fisioterapia. Se encaixa na Dermatofuncional e na Fisioterapia Ortopédica, por exemplo. Ela oferece informações que poderão ser contempladas por qualquer área dentro desses aspectos neuromusculares que o paciente vai ter de disfunção. O profissional vai fazer a avaliação, vai identificar o que o paciente precisa e vai ter à disposição diversos conceitos, dentro da Terapia Manual, que poderão utilizar  em todos os pacientes.

 

Como é a atuação do profissional na cirurgia plástica? E no pós-operatório?

Eu trabalho na cirurgia plástica há mais ou menos 25 anos e meu trabalho sempre foi voltado para a ´Função. Eu caí de paraquedas na Dermatofuncional depois de formada, depois que já tinha um trabalho desenvolvido, e sempre busquei levar a Fisioterapia pela funcionalidade, pela Terapia Manual na cirurgia plástica. Infelizmente, na Dermatofuncional, a maioria dos profissionais ainda utiliza equipamento, protocolo de tratamento estético no pós-operatório e o que a gente vê na prática clinica é que isso atrasa demais os resultados.

Então, eu venho esses anos todos tentando mostrar que a Terapia Manual para o pós-operatório seria o mais adequado, mais indicado, uma vez que o tratamento é mais rápido e efetivo quando você utiliza esse princípio.

O que é liberação tecidual funcional? Como surgiu esse conceito?

É um trabalho que desenvolvi dentro da minha faculdade, onde eu precisei fazer links do que tinha na Terapia Manual na época e como ajustá-la na cirurgia plástica. Então, a Liberação Tecidual Funcional (LTF)  é uma técnica que eu dei o nome para buscar uma funcionalidade dentro de um indivíduo acometido por fibrose e aderência. A técnica ganhou esse nome em 2001, quando precisei nomeá-la para dar aula, afinal não podia falar sem identificar do que eu estava falando.

Em 2001, comecei a falar sobre LTF, comecei a dar aula em uma pós-graduação de Dermatofuncional e precisei fazer um mestrado em reparo tecidual. Aprofundei muito os meus estudos em cicatrização e a LTF veio se desenvolvendo ao longo desses anos. Hoje a gente já tem no mercado a técnica bem estrutura, estabelecida. É a minha marca registrada.

Como o fisioterapeuta que deseja atuar com Terapia Manual deve se preparar? O que ele precisa fazer?

Bom, ele precisa se formar em Fisioterapia e buscar os cursos específicos de Terapias Manuais. Hoje a gente conta com várias técnicas de Terapias Manuais, tudo isso fazendo links para você trabalhar com pacientes de cirurgia plástica.

 

Como avalia o mercado para a Terapia Manual? É uma área muito explorada ou ainda há espaço para quem quer se especializar?

O mercado é incrível! O fisioterapeuta precisa desenvolver a habilidade manual, pois quando você é um bom terapeuta manual os resultados são impressionantes. Então, o fisioterapeuta que tem o dom de usar a mão não tem como não dar certo. É um mercado promissor e dentro da cirurgia plástica é mais ainda. Nós somos o segundo país do mundo que mais faz cirurgia plástica e o pós-operatório ainda é realizado por esteticistas ou por fisioterapeutas que atuam como esteticistas e que não fazem uma avaliação, que não entendem o que está acontecendo com o paciente. Então, o fisioterapeuta, na sua maioria, não se diferencia no mercado de pós-operatório dentro da Terapia Manual por exemplo.

Que mensagem a senhora deixa para quem deseja seguir esta técnica?

O mercado é promissor para quem investe e estuda. Por isso, é preciso se aperfeiçoar. A Fisioterapia é incrível para quem corre atrás, busca se especializar e não deixa de buscar conhecimento ao longo dos anos de profissão.

Leia Também

Associação Capixaba de Parkinson presta apoio a pacientes com a Doença de Parkinson e auxilia a família a lidar com o diagnóstico

Doença de Parkinson atinge pessoas no mundo todo. Com os tremores e outras disfunções, as …

PARCEIROS CREFITO